Notice: Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE in D:\Web\Dualtec-STD\relacionais\relacionais.org.br\www\index.php on line 49  Relacionais » Brasil Nunca Mais
Call us toll free: +55 11 3063 2464
Top notch Multipurpose WordPress Theme!
Call us toll free: +55 11 3063 2464

LANÇADO ACERVO COM MAIS DE 900 MIL PÁGINAS DIGITALIZADAS DE PROCESSOS DA DITADURA MILITAR


Ato de Lançamento do Brasil Nunca Mais Digital, o projeto garante acesso a todo material colhido no início dos anos 80 pela Arquidiocese de São Paulo e pelo Conselho Mundial de Igrejas, o qual revelou torturas por agentes públicos durante a ditadura. A digitalização e divulgação do acervo do BNM objetiva preservar esse patrimônio histórico nacional, ampliar o acesso ao material de pesquisa e revelar a história de concepção e desenvolvimento dessa iniciativa social. O trabalho foi iniciado em 14 de junho de 2011, quando o Ministério Público Federal repatriou do “Center for Research Libraries” (CRL), nos EUA, os microfilmes de segurança que continham cópia de todos os processos judiciais reproduzidos pelo BNM e o Procurador-Geral da República recebeu do Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas os arquivos daquela entidade sobre o projeto. http://bnmdigital.mpf.mp.br

Repatriação do acervo do “Brasil: Nunca Mais”


A Procuradoria Regional da República da 3ª Região (PR3) sediou, no dia 14 de junho, o ato público de repatriação do acervo do “Brasil: Nunca Mais” – projeto realizado no início dos anos 1980 que buscava, ainda durante o período da ditadura militar, obter informações e evidências de violações aos direitos humanos praticadas por agentes do Estado. No ato, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e o “Center for Research Libraries” (CRL) entregaram os documentos e microfilmes que compõem o “Brasil: Nunca Mais”, mantidos até então no exterior. O projeto Brasil Nunca Mais Digit@l tornará disponível na internet todos os documentos do acervo, fomentando seu acesso para pesquisas pela sociedade civil. O Projeto Brasil Nunca Mais Digit@l é uma iniciativa do Ministério Público Federal, Armazém Memória e Arquivo Público do Estado de São Paulo, com o apoio do Arquivo Nacional, CRL (EUA), CMI (Suíça), Instituto de Políticas Relacionais e a OAB/RJ.